A direção político-militar da Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC), que reclama a autonomia daquele território angolano, exigiu hoje a "libertação imediata e incondicional" do ativista José Marcos Mavungo, condenado a seis anos de prisão.

Em comunicado enviado esta quinta-feira à Lusa e assinado pelo porta-voz da organização, Jean-Claude Nzita, a FLEC/FAC (Forças Armadas Cabindesas) classifica a condenação de Mavungo, detido a 14 de março quando tentava organizar uma manifestação em Cabinda e acusado de um crime de rebelião contra o Estado, como "uma decisão cobarde e irresponsável".

"O Governo angolano, em vez de facilitar o processo de diálogo exclui qualquer alternativa para a paz através de condenações injustas e inúteis que desonram Angola e o seu presidente na cena internacional", escreve a direção político-militar daquela organização.