O Fisco está a utilizar, desde abril, inspetores não identificados para combater a fraude e a fuga dos impostos, escreve o «Diário de Notícias».

Na recente operação «Fatura Suspensa», já foram realizadas 860 ações «encobertas» em estabelecimentos comerciais, como restaurantes e cabeleireiros e foram detetados indícios de utilização ilegal de programas de faturação.

No entanto, para além do comércio, está ainda na mira o arrendamento de casas de férias.

Segundo ainda o mesmo jornal, estas empresas respondem por um valor de coimas que ascende já a 5,2 milhões de euros.