A atual conjuntura económica e, em particular, a situação da banca em Portugal, não combina com o aumento da contribuição extraordinária sobre o setor inscrita na proposta do Orçamento do Estado, segundo o presidente do Banco Santander Totta.

«Acho estranho que, num momento em que o setor apresenta perdas e não está a ganhar dinheiro, se venha aumentar impostos sobre este sistema», lançou esta quarta-feira António Vieira Monteiro, durante a conferência de imprensa de apresentação de resultados do Santander Totta, em Lisboa, com o r esultado líquido do banco a disparar 96,4% para 118,8 milhões de euros.

O gestor sublinhou que «há empresas de outros setores que ganham muito dinheiro» e sobre as quais não incide este tipo de sobretaxa.

O Governo decidiu aumentar a contribuição sobre o setor bancário, medida extraordinária instituída pelo executivo Sócrates em 2011, esperando encaixar mais 31 milhões de euros no próximo ano face a 2014, segundo a proposta do Orçamento do Estado para 2015.

A subida do imposto cobrado à banca deverá render, segundo o Governo, mais 31 milhões de euros em receitas adicionais, gerando um encaixe de 170 milhões de euros.