A ministra das Finanças disse esta sexta-feira que há uma divergência de previsões entre o Governo e a Comissão Europeia, numa reação ao parecer de Bruxelas sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2015.

A Comissão entende que o Orçamento de Estado para 2015 está em risco de violar as regras europeias e pede ao país que tome as medidas necessárias para cumprir as metas necessárias para cumprir as metas orçamentais. Na análise ao documento, Bruxelas considera que estão em falta medidas estruturais e que o esforço orçamental está aquém do esperado

«O que a Comissão Europeia veio dizer não é diferente do que já tinha dito nas Previsões de Inverno. Temos uma divergência de previsões», afirmou a governante à margem da conferência "Europe: New Opportunities in the New World", a decorrer em Lisboa.

A ministra reforçou que o Governo continua a defender que as suas previsões são adequadas.

«O INE acabou de rever em alta o crescimento do terceiro trimestre, reforçando as nossas expetativas para o ano de 2014 e dando ainda mais confiança a que as previsões estão corretas», disse.

Maria Luís Albuquerque acrescentou que «o Governo está totalmente comprometido a que o procedimento do défice excessivo seja terminado em 2015» e continua a confiar que o Orçamento é exequível.

Já o primeiro-ministro tinha considerado, esta sexta-feira, ser prematuro antecipar a necessidade de medidas adicionais para cumprir a estratégia orçamental do Governo, reafirmando ser «um ponto de honra» manter o défice «abaixo dos três por cento».

O Produto Interno Bruto português aumentou 0,3% em termos reais no terceiro trimestre do ano, segundo os dados publicados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística. Em termos homólogos, o PIB registou uma subida de 1,1% em volume.