A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, afirmou hoje que Portugal tem as suas necessidades de financiamento cobertas até à primavera de 2015 e admite mais uma emissão a médio longo prazo antes do final do programa.

A governante, que falava aos jornalistas depois da reunião dos ministros das Finanças da zona euro que se realizou em Atenas, voltou a sublinhar que Portugal tem um montante significativo de depósitos e que isso permite ter financiamento para mais ou menos um ano.

«Neste momento estamos [com as necessidades de financiamento cobertas] sensivelmente para um ano, mais ou menos na primavera de 2015», disse.

Maria Luís Albuquerque disse ainda que «é possível que antes do fim do programa ainda possa haver uma emissão», o que teria de acontecer então no próximo mês e meio.

A governante apontou ainda a próxima reunião do Eurogrupo, que decorre a 05 de maio como uma data possível para Portugal transmitir a sua decisão aos parceiros do euro.

«Não houve discussão sobre a estratégia de saída. Reiterei que o Governo português continua a ponderar as opções e que oportunamente, antes do fim do programa que é 17 de maio, tomaremos e comunicaremos a nossa decisão, quer ao Eurogrupo, quer publicamente. Teremos um Eurogrupo antes de 17 de maio, e essa é uma data possível», afirmou.

A reunião foi rápida, incidiu também sobre outros temas, como o ponto de situação do programa da Grécia.

Maria Luís Albuquerque explicou aos jornalistas que a decisão, que cabe ao Governo português tomar, tem de ser comunicada ao Eurogrupo, mas obrigatoriamente numa das reuniões do grupo dos ministros das Finanças da zona euro.

«Entre agora e 17 de maio, quando o Governo português

entender que estão reunidas as condições para tomar uma decisão, ela será tomada e comunicada», reforçou.