O deputado do Syriza Yanis Varoufakis, apontado como provável novo ministro das Finanças, afastou esta segunda-feira a saída da Grécia do euro e assegurou que o partido não procurará «a confrontação».

Em declarações ao programa radiofónico Today, da BBC, Varoufakis disse que o novo Governo grego liderado pelo Syriza negociará construtivamente uma restruturação da dívida do país com Bruxelas.

«Houve um pouco de bluff da nossa parte», declarou o parlamentar de dupla nacionalidade grega e australiana, acrescentando que «o que realmente importa agora é sentarmo-nos a falar» sobre a melhor maneira de reorganizar o pagamento da dívida grega.

«Grexit (a saída da Grécia do euro) não está em cima da mesa, não vamos para Bruxelas ou para Frankfurt com uma postura de confrontação», afirmou.

Varoufakis disse que o atual calendário de pagamento da dívida «é completamente impraticável e totalmente desligado do crescimento grego», o que não é positivo, observou, para nenhuma das partes envolvidas.
«O que queremos é ligar os nossos pagamentos ao nível de crescimento», sublinhou.

Após a contagem de 99,82% dos votos das eleições de domingo, o partido de esquerda radical Syriza obteve 36,34% dos votos, o que se traduz em 149 assentos parlamentares, dois aquém da maioria absoluta.

O Syriza, liderado por Alexis Tsipras, prevê formar Governo com os Gregos Independentes, a direita nacionalista grega liderada por Panos Kammenos.

Sobre a vitória do Syriza, um partido da esquerda contra a austeridade, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse esta madrugada que «aumentará a incerteza económica na Europa», pelo que defendeu que o Reino Unido deve «cingir-se» ao seu plano económico para manter «a segurança» no país.