Os bancos europeus poderão, a médio prazo, vir a estar limitados na sua exposição a risco soberano, nomeadamente em termos de concentração geográfica, com eventual introdução de penalizações no capital, revela o Diário Económico. A informação foi adiantada no Relatório de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal (BdP), ontem divulgado.

O tema ainda está em discussão na Europa, o que significa que a curto prazo não está previsto que surjam medidas concretas a aplicar pelo setor financeiro.

Em junho deste ano, os títulos da dívida pública nacional representavam 7% da carteira de ativos detidos pelos bancos portugueses e 19% doa ativos do setor segurador.