A seguradora Fidelidade considerou esta terça-feira «manifestamente ilegal» o anúncio feito pelo UnitedHealth Group Incorporated de uma oferta para compra da totalidade do capital social da Espírito Santo Saúde (ESS), por cinco euros por ação.

«Esta oferta só poderia ter sido feita no âmbito da OPA (Oferta Pública de Aquisição) da Fidelidade e seguindo as regras das ofertas concorrentes, designadamente se o respetivo registo na CMVM (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários) tivesse sido obtido até ao passado dia 03 de outubro», refere uma nota enviada hoje à noite por fonte oficial da Fidelidade à agência Lusa.

Na nota, a Fidelidade sublinha que, «para além disto, o referido anúncio será enganador na medida em que a eficácia da oferta estará sempre condicionada ao consentimento prévio do Ministério das Finanças e do Ministério da Saúde, ao contrário do que é afirmado».

«O mero anúncio de uma intenção de lançar uma oferta constituiu só por si uma violação grave do Código dos Valores Mobiliários», advoga a Fidelidade, acrescentando que, por este motivo, «aguarda serenamente o pronunciamento urgente e clarificador por parte da CMVM».

O UnitedHealth Group Incorporated apresentou hoje uma oferta para a aquisição das ações detidas pela Espírito Santo Health Care Investments na Espírito Santo Saúde (ESS), representativas de 51% do capital social desta, a cinco euros por ação.

A oferta foi divulgada através de comunicado publicado no sítio da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) na Internet e expira às 17:00 horas da próxima sexta-feira, 10 de outubro.

O preço proposto quantifica a entidade proponente, representa um prémio de aproximadamente 56,3% em relação ao preço de 3,20 euros apurado na oferta inicial de distribuição destas ações, ocorrida em 12 de fevereiro de 2014, de 39,3% em relação ao preço médio ponderado de 3,59 euros nos 6 meses imediatamente antecedentes à oferta anunciada pelo Grupo Àngeles, em 19 de agosto de 2014, e ainda de 3,7% em relação ao preço de 4,82 euros anunciado pela Fidelidade, em 26 de setembro de 2014.

O UnitedHealth Group adiantou que já pediu a avaliação da transação à Autoridade da Concorrência e que se a sua proposta vingar lança de imediato uma oferta pública de aquisição obrigatória, em iguais termos e condições, sobre as restantes ações da ESS.

O UnitedHealth Group é proprietário da brasileira Amil, que comprou o negócio da saúde à Caixa Geral de Depósitos. A Espírito Santo Health Care Investiments, que é controlada pela ‘holding’ Rioforte, possui, via ES Saúde, entre outros ativos, o Hospital da Luz, em Lisboa, e gere, em regime de parceria público-privada, o Hospital de Loures.

No final de maio, a ES Saúde anunciou que o seu lucro quase duplicou em termos homólogos no primeiro trimestre do ano, para 4,6 milhões de euros.