Fernando Ulrich, presidente executivo do BPI, afirmou-se chocado com o investimento de chineses em Portugal, que «em tão pouco espaço de tempo», compraram as melhores empresas nacionais sem qualquer retorno aparente.

«Faz-me muita impressão que num curto espaço de tempo, haja tanto investimento chinês», disse o presidente do BPI, que falava na conferência anual do Jornal de Negócios em Lisboa sobre o tema "Os Caminhos do Crescimento",
acrescentando que se sentia chocado por Portugal «ser o porta-aviões da China para entrar na Europa».

Fernando Ulrich fez depois o paralelo da China com Angola, onde o banco tem uma presença importante, no que se refere à reação da opinião pública aos investimentos em Portugal.

«Ninguém fica escandalizado que o presidente da Fosun seja membro do comité do Partido Comunista chinês e as empresas sejam comandadas pelo Estado e depois aqui del-Rei quando os angolanos compram qualquer coisa em Portugal, argumentando que não são transparentes, etc».

O BPI, que concorre à compra do Novo Banco juntamente com dois interessados chineses, as seguradoras Fosun e Ambang, terá sido, segundo notícias veiculadas pela comunicação social, excluído da lista pelo Banco de Portugal por ter apresentado um valor demasiado baixo.

Sobre esta questão, Fernando Ulrich, ressalvando que tem um acordo de confidencialidade assinado sobre o processo Novo Banco, afirmou que se se "«omprar o Novo Banco pelo preço que vem nos jornais [a Fosun oferece praticamente o valor investido pelo fundo de resolução, cerca de 4 mil milhões de euros], levará os analistas a valorizar os bancos portugueses pelo triplo de seu valor atual».