O CEO do BPI, Fernando Ulrich, afastou esta sexta-feira a possibilidade de participação num banco mau. 

"O BPI não precisa nem está interessado na participação num banco mau", disse Ulrich na conferência de imprensa de apresentação de resultados.

O BPI teve lucros de 45,8 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, mais 48,3% do que no mesmo período do ano passado.

O lucro líquido consolidado, diz a informação enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), é o resultado de 7,9 milhões de euros conseguidos na atividade doméstica e 37,9 milhões de euros das operações internacionais.

No exterior, a principal operação do BPI é o Banco de Fomento de Angola (BFA), que contribuiu com 37 milhões de euros entre janeiro e março, mais 15,3% do que no primeiro trimestre de 2015.

O rácio de crédito em risco do BPI está nos 4,6%. O banco está entre os "melhores bancos da Península Ibérica" com os rácios abaixo dos 5%, quando a média dos bancos em Portugal é de 12%.