O Sindicato dos Ferroviários, que terminou este sábado uma greve ao trabalho em dia de feriado, fez um "balanço positivo" do protesto, destacando que foi aberta "uma nova fase negocial" com a empresa, que começa a 21 de janeiro.

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF) convocou uma greve ao trabalho extraordinário, em dia de descanso semanal e em dia feriado para contestar os cortes à remuneração ao trabalho suplementar a que foram sujeitos os trabalhadores do Estado.

Em declarações à Lusa, José Manuel Oliveira, do sindicato, disse que se trata de "uma luta prolongada desde 2013" e que "o balanço é positivo", uma vez que "foram obtidos alguns resultados, nomeadamente a reposição de parte do que tinha sido retirado em termos de pagamento ao trabalho extraordinário e também a reposição do direito ao transporte pelos trabalhadores".

O sindicalista destacou ainda que se "abriu uma nova fase do processo negocial" com a administração da CP, "que vai começar a 21 de janeiro", acrescentando que, "neste momento, não está nada marcado nem está prevista a entrega de qualquer pré-aviso de greve".

A Lusa tentou contactar a CP, mas até ao momento ainda não foi possível.

No entanto, a empresa tinha anteriormente alertado que esta greve poderia provocar atrasos e supressões a partir do dia 31 de dezembro, véspera do feriado de 01 de janeiro, dia de Ano Novo, e prolongar-se na manhã de hoje.