Representantes de trabalhadores de várias empresas públicas do setor dos transportes agendaram uma semana de luta, de 15 a 19 de junho, contra a privatização e a subconcessão de empresas.

Seguno a Lusa, a decisão foi tomada durante um encontro que reuniu esta segunda-feira representantes de sindicatos e de comissões de trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, da rodoviária lisboeta Carris, da Soflusa e da Transtejo (responsáveis pelas ligações fluviais na região de Lisboa), do setor ferroviário, da companhia aérea TAP e da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP).

De acordo com José Manuel Oliveira, coordenador da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), no encontro foram analisadas as ações de luta já realizadas contra a subconcessão e a privatização, decidindo-se a convergência e concertação de iniciativas nas empresas do setor na semana de 15 a 19 de junho.

“É importante fazer uma semana de trabalho de intervenção sindical com plenários, com paralisações e eventualmente também com greves, com ações que irão agora ser construídas empresa a empresa numa perspetiva de continuarmos a ter na ordem do dia este debate e a posição dos trabalhadores e organizações sindicais e comissões de trabalhadores de oposição a este modelo”, disse José Manuel Oliveira.

Apesar de as ações de protesto serem definidas empresa a empresa, o sindicalista salientou que está prevista a realização e uma ação “convergente” que envolva todas as empresas do setor.

O Governo aprovou a 26 de fevereiro a subconcessão do Metro de Lisboa e da Carris, deixando de fora a Soflusa.

Em março, foi publicado em Diário da República o anúncio do concurso público internacional e as empresas escolhidas para gerirem o Metro e a Carris nos próximos oito anos deverão ser conhecidas em breve.

Nas intenções do Governo estão também as privatizações da TAP, da CP Carga (setor ferroviário) e da EMEF – Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário.

O concurso público para a subconcessão da STCP, que gere um serviço rodoviário no Porto, foi lançado em agosto de 2014, tendo sido ganho pelo consórcio espanhol TMB - Transports Metropolitans de Barcelona/Moventis, o único que se apresentou a concurso. Deverá começar a operar a partir do final de junho o Metro do Porto.