O Fundo Monetário Internacional apela ao Reino Unido e às autoridades europeias para trabalharem no sentido de uma transição suave para pôr em prática aquilo que os britânicos desejam, sair da União Europeia. E diz estar pronto para apoiar os Estados-membros, se for preciso.

"Tomamos nota da decisão pelo povo do Reino Unido", começa por referir o comunicado assinado por Christine Lagarde.

"Instamos as autoridades do Reino Unido e da Europa a trabalharem em colaboração para garantir uma suave transição para uma nova relação económica entre U.K. e a UE, incluindo através da clarificação dos procedimentos e objetivos gerais que nortearão o processo".

O FMI mostra ainda total apoio aos compromissos expressos quer pelo Banco de Inglaterra, quer pelo Banco Central Europeu, no que toca a tudo fazerem para garantir a estabilidade e a liquidez, bem como "reduzir oexcesso de volatilidade financeira". nota o FMI. De facto, os mercados logo ficaram em queda livre.

Lagarde promete, com a sua equipa, continuar a acompanhar a situação "de perto".  "Estamos prontos para apoiar os nossos membros, se necessário", garante.

Também a Reserva Federal norte-americana, o banco central dos EUA, reagiu em comunicado. Está a "monitorizar cuidadosamente os desenvolvimentos nos mercados financeiros globais", em cooperação com os bancos centrais.
 
"A Reserva Federal está preparada para fornecer liquidez em dólares através de sua troca existente de linhas com bancos centrais, conforme necessário, para enfrentar pressões nos mercados de financiamento globais, que poderiam ter implicações adversas para a economia EUA"