A ANA, entidade que gere os aeroportos portugueses, vai condicionar o acesso automóvel às zonas de partidas e chegadas dos aeroportos mais congestionados, nomeadamente Lisboa, Porto e Faro, cobrando o estacionamento superior a dez minutos.

Segundo o porta-voz da ANA, Rui Oliveira, o tempo de estacionamento grátis de dez minutos “é mais do que suficiente” para permitir recolher e largar passageiros e a medida será “benéfica para os utilizadores” que passam a poder parar por dez minutos sem pagar nada, ao contrário do que acontece atualmente.

O aeroporto de Faro será o primeiro a avançar com a medida, já em junho, seguindo-se o Porto, no último trimestre deste ano, e Lisboa, no primeiro trimestre de 2016.

Para aceder aos terminais de partida e chegada, vai passar a ser necessário transpor uma cancela e retirar um ‘ticket’ de estacionamento, que não será cobrado se não exceder os dez minutos. A partir daí são cobradas tarifas, que ainda estão por fixar.

Rui Oliveira sublinhou que o objetivo “não são as receitas” e sim melhorar a qualidade do serviço e reorganizar as zonas de partidas e chegadas, que “não foram concebidas para o tráfego que têm atualmente”.

Segundo o Diário Económico, os taxistas também vão passar a obedecer a novas regras, que ainda estão em negociação.

O jornal indica que será criada uma avença especial para os motoristas que queiram permanecer nas zonas delimitadas por cancelas, acima dos 10 minutos.

Florêncio Almeida, presidente da ANTRAL (Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros), disse à TSF que os serviços a partir da zona de chegadas do aeroporto também terão uma nova alteração: cada serviço passa a ter um custo mínimo de 20 euros por 14 Km e 800 metros, com um euro a reverter a favor da ANA.

Esse valor, servirá, segundo Florêncio Almeida, para "fazer algumas alterações à praça de táxis, criar novas condições para que os táxis possam exercer a sua atividade. Tem de pôr cancelas, isso tem custos e isso é para custear os custos que a ANA vai ter".