As exportações aumentaram 5,8% e as importações subiram 8,1% em setembro face ao período homólogo, o que se traduziu num agravamento do défice da balança comercial para 1,181 mil milhões de euros.

Este crescimento representa, no entanto, um abrandamento face ao verificado em agosto, quando as exportações aumentaram 13,9% em termos homólogos e as importações 12,1%.

De acordo com os dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), no conjunto do terceiro trimestre, as exportações e as importações de bens aumentaram respetivamente 7,6% e 10,9% face ao período homólogo.

Considerando apenas o mês de setembro de 2017, em termos das variações homólogas mensais, as exportações aumentaram principalmente devido ao acréscimo de 5% registado nas exportações para os países Intra-UE.

O crescimento das importações foi resultado também sobretudo da evolução das importações Intra-UE que aumentaram 8% (11,7% em agosto).

Excluindo os combustíveis e lubrificantes e em termos homólogos, em setembro de 2017 as exportações cresceram 4,3% e as importações aumentaram 7,3% (valores que comparam com os 12% e 13,9% de crescimentos observados em agosto, respetivamente).

Segundo o INE, o défice da balança comercial de bens foi de 1,181 mil milhões de euros em setembro de 2017, o que representa um acréscimo de 180 milhões de euros face ao mês homólogo de 2016.

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, a balança comercial atingiu um saldo negativo de 875 milhões de euros, correspondente a um aumento de 178 milhões de euros em relação ao mesmo mês de 2016.