Os empresários portugueses vão continuar a contar com apoios à internacionalização e às trocas comerciais com o mercado árabe, sob a forma de créditos à exportação, garantiu o ministro dos Negócios Estrangeiros, no encerramento do 4.º Fórum Económico Portugal-Países Árabes.

No que se refere aos estímulos à internacionalização da economia portuguesa e às trocas comerciais com os países árabes, os empresários aqui reunidos podem contar - do lado do Governo - com várias iniciativas e medidas. [Em primeiro lugar] Podem contar com a continuação do apoio às empresas exportadoras na abertura de novos mercados, no reforço da penetração em mercados com presença já estabelecida e também nos instrumetnos de crédito às exportações".

Augusto Santos Silva recordou que os empresários também poderão apoiar-se no "novo papel que vai ter a SOFID", a sociedade financeira portuguesa para o desenvolvimento. "Em segundo lugar podem contar com um novo papel que vai ter a SOFID, um instrumento para alavancar financiamentos multilaterais, para projetos que são ao mesmo tempo de cooperação entre países e de internacionalização das respetivas economias".

A "prioridade absoluta" do governo português para o setor agroalimentar, no que toca à internacionalização, foi destacada pelo governante. "É costume referir-se, e bem, à verdadeira revolução na tecnologia e na gestão que tiveram o setor têxtil e do calçado. Mas o setor agroalimentar português está a passar uma revolução semelhante e sei que os países árabes são particularmente atentos às questões da segurança alimentar e da qualidade dos bens agroalimentares".

O ministro referiu que as relações económicas de Portugal com os países árabes - um mercado global de cerca de 400 milhões de consumidores - multiplicaram-se por quatro nos últimos dez anos, mas realçou que "ainda há muito caminho por fazer". Enquanto fornecedor, Portugal representa 3% nos países árabes e como importador 4%.

Augusto Santos Silva recordou que o mundo enfrenta várias crises e desafios, na Europa e também no Mundo Árabe, mas sublinhou que a economia é a melhor forma de os ultrapassar.

"Devemos olhar para estes desafios e crises com a consciência de que os podemos superar. E nada melhor do que através da economia", disse o ministro, que ainda à situação um dos versos do poeta português Luís de Camões: "Quem faz o comércio, não quer a guerra".

O 4.º Fórum Económico Portugal-Países Árabes decorre em Lisboa até terça-feira.