O vice-primeiro ministro, Paulo Portas, revelou que a China certificou 31 empresas de lacticínios portuguesas, possibilitando assim que estas passem a exportar para o mercado chinês.

Paulo Portas discutiu esta quinta-feira com o presidente da China, Xi Jinping, o reforço das relações económicas entre os dois países, na ilha Terceira, nos Açores.

«Abordámos temas internacionais e também matérias da nossa relação bilateral, com especial enfoque para o reforço da nossa cooperação económica», frisou o vice-primeiro-ministro, numa declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas, no final do encontro.

Paulo Portas destacou que a China publicou na semana passada «a certificação de 31 empresas portuguesas que estarão, a partir de agora, em condições de exportar para o mercado chinês leite e laticínios», alegando que essa medida «constitui uma grande oportunidade», e acrescentou que «outras negociações no âmbito agroalimentar vão a bom ritmo».

O governante realçou também o crescimento das exportações portuguesas para a China, que passaram «de 220 milhões de euros, em 2009, para 660 milhões de euros, em 2013», frisando que, «no primeiro trimestre deste ano, o crescimento foi ainda mais espetacular».

O vice-primeiro ministro lembrou que, tanto no setor público como no privado, a China «tem feito investimentos vultuosos em Portugal», dando como exemplo as parcerias no setor energético, que já ultrapassam os «15 mil milhões de euros».

«Manifestámos o nosso empenho em conseguir abrir o mercado chinês, certamente entre os maiores do mundo, a mais empresas, marcas e produtos portugueses e a nossa abertura ao investimento estrangeiro, porque sem investimento não há crescimento e sem crescimento não há criação de emprego», frisou.

Paulo Portas destacou ainda ao presidente chinês a importância de se estabelecer uma ligação aérea direta entre a China e Portugal, que poderia ter uma «enorme valia para o turismo e para os negócios».

O vice-primeiro-ministro realçou também a «cooperação com a China no âmbito da economia do mar», tendo informado o presidente chinês sobre «a significativa conferência internacional sobre o mar e os oceanos» que Portugal vai organizar em 2015.

Portas disse ainda que deu conta a Xi Jiping do fim do programa de assistência financeira a Portugal e do «regresso do crescimento económico» ao país, destacando o valor que a China dá a Portugal.

«A República Popular da China valoriza o papel da lusofonia no século XXI, bem como a experiência muito importante de Portugal, não apenas no contexto europeu, mas também no estabelecimento de pontes e de compromissos e de cooperações entre a Europa, África, América latina e Ásia», frisou.

Segundo Paulo Portas, a escala de Xi Jinping na ilha Terceira e o encontro realizado hoje «assinalam a importância estratégica da vocação marítima e atlântica de Portugal».

«Portugal é um dos poucos países membros da União Europeia que dispõe de uma parceria estratégica com a República Popular da China. A intensidade e a frequência das visitas de chefes de Estado e de governantes dos dois países confirma essa maturidade do nosso relacionamento», frisou.

Xi Jinping faz hoje uma escala na Terceira, numa ligação entre o Chile e a China, permanecendo cerca de oito horas na ilha.

No encontro entre o vice-primeiro ministro de Portugal e o presidente chinês, que deveria ter demorado 20 minutos mas estendeu-se por quase uma hora, Paulo Portas entregou uma carta de boas-vindas do Presidente da República de Portugal e os "cumprimentos calorosos" do Governo português.

Xi Jiping fez ainda uma "visita turística" ao Monte Brasil, acompanhado por Paulo Portas, pelo presidente do Governo Regional dos Açores, pelo representante da República para os Açores e pelo presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, mas os jornalistas não foram autorizados a acompanhar a visita.