A UTAO estima que as despesas com pessoal podem ficar 300 milhões de euros acima do previsto para 2013, uma vez que esta rubrica já teria aumentado 11,3% até julho se o subsídio de férias tivesse sido pago em duodécimos.

De acordo com uma nota da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) sobre a execução orçamental até julho, a que a Lusa teve acesso, «caso o subsídio de férias tivesse sido pago também em duodécimos até julho, as despesas com o pessoal teriam aumentado cerca de 11,3%», ou seja, um crescimento superior ao previsto no Orçamento Retificativo.

«A concretizar-se esta taxa de variação no final do ano, as despesas com o pessoal ficarão cerca de 300 milhões de euros acima do previsto» no Orçamento Retificativo, segundo os cálculos desta equipa de técnicos independentes.

A UTAO refere, no entanto, que as despesas com pessoal cresceram a um ritmo inferior ao previsto no Retificativo, mas salvaguarda que «é de esperar um aumento até final do ano».

Esta rubrica de despesa aumentou 4,5% até julho, sendo que o Retificativo prevê um crescimento de 8,9% para o conjunto de 2013.

No entanto, a UTAO refere que o pagamento do subsídio de férias a uma parte significativa de funcionários públicos só deverá ocorrer em novembro, o que significa que esta evolução da despesa com pessoal «só aparentemente pode ser considerada favorável».