A zona euro registou um excedente de 0,9 mil milhões no comércio internacional de bens em janeiro, contra um défice de 5,4 mil milhões no mesmo mês de 2013, revelou hoje o Eurostat.

Já a União Europeia (UE) teve um défice de 13,0 mil milhões de euros no saldo de trocas comerciais com o resto do mundo, tendo melhorado na comparação com o de 17,7 mil milhões em janeiro de 2013, segundo as primeiras estimativas do gabinete oficial de estatísticas da UE.

Na comparação mensal, o excedente verificado em janeiro na zona euro ficou aquém do de dezembro de 2013 (13,8 mil milhões de euros).

No conjunto da UE, o boletim do Eurostat indica que o comércio internacional passou de excedentário em dezembro último (8,1 mil milhões) a deficitário em janeiro (-13,0 mil milhões de euros).

Portugal registou em 2013 um défice comercial de 9,2 mil milhões, que compara com os -10,9 de 2012, e é o quinto maior da UE.

O Reino Unido (-84,7), a França (-76,0), a Grécia (-19,3) e a Espanha (-16,9 mil milhões de euros) são os países que registaram os maiores défices comerciais em 2013.

Recorde-se que o Eurostat tinha já divulgado, em fevereiro, os dados de 2013 para a zona euro ¿ que registou um excedente de 153,8 mil milhões, contra os 79,7 mil milhões de euros em 2012 ¿ e a UE, que teve um excedente de 49,9 mil milhões em 2013, contra um défice de 115 mil milhões em 2012.

Hoje, o Eurostat acrescenta que os dados de 2013 mostram que as importações da UE da maioria dos principais parceiros comerciais desceram, com a exceção da Turquia (4%), tendo as maiores quedas sido registadas nas importações do Japão (-13%), do Brasil (-12%) da Suíça e da Noruega (-11% cada).

No que diz respeito às exportações, os maiores aumentos verificaram-se para a Suíça (27%) e a Coreia do Sul (6%), a China e a Turquia (3% cada), enquanto as principais quebras tiveram como destino a Índia (-7%), a Rússia e o Japão (-3% cada).

O excedente comercial dos 28 aumentou muito com a Suíça (75,3 mil milhões de euros em 2013 contra os 27,6 mil milhões de 2012) e, de forma mais moderada, para os Estados Unidos (92,0 mil milhões contra 86,3 mil milhões), a Turquia (27,5 mil milhões contra 27,1 mil milhões) e para o Brasil (7,1 mil milhões contra 2,2 mil milhões).

O défice da balança comercial da UE reduziu-se com a China (-131,8 mil milhões contra -147,6), a Rússia (-86,8 contra -91,7), a Noruega (-39,8 contra -51,1) e o Japão (-2,4 mil milhões contra -9,2 mil milhões).