As vendas do comércio a retalho em Portugal registaram em janeiro o maior aumento da União Europeia face a dezembro (6,7%) e a terceira maior subida homóloga (6,6%), segundo o Eurostat.

No boletim divulgado esta quarta-feira, o gabinete de estatísticas da União Europeia adianta que, na comparação com dezembro de 2013, em janeiro o volume de vendas do comércio a retalho aumentou 1,6% na zona euro e 0,9% na União Europeia, tendo na comparação homóloga, ou seja, face a janeiro de 2013, progredido 1,3% e 1,9%, respetivamente.

Na comparação mensal, ou seja, em relação a dezembro, o aumento de 1,6% na zona euro deve-se principalmente às subidas de 1,9% no setor não alimentar, de 1,5% nos combustíveis e 1,1% no setor da alimentação, bebidas e tabaco.

Na União Europeia, este crescimento de 0,9% assenta num aumento de 1,4% nas vendas de combustíveis, de 1,3% no setor não alimentar e 0,3% no setor da alimentação, bebidas e tabaco.

As maiores subidas mensais nas vendas do comércio a retalho verificaram-se em Portugal (6,7%), na Estónia (4,6%), na Alemanha (2,5%) e na Roménia e Eslovénia (2,4% cada) e as descidas mais acentuadas no Reino Unido (-1,5%), na Irlanda e em Malta (-1% cada), na Dinamarca (-0,9%) e na Letónia (-0,6%).

Na comparação anual, comparando com janeiro de 2013, a zona euro teve um registo positivo de 1,3% no volume de vendas do comércio a retalho, graças aos aumentos de 2,9% nas vendas de combustíveis e de 2,5% no setor não alimentar, enquanto o setor da alimentação, bebidas e tabaco recuou 0,4%.

Entre os 28 Estados-membros da União Europeia, a progressão de 0,9% no comércio a retalho deveu-se às subidas de 3,6% no setor não alimentar, de 2,1% nos combustíveis e de 0,1% no setor da alimentação, bebidas e tabaco.

Os aumentos anuais mais significativos nas vendas a retalho foram observados no Luxemburgo (12,2%), na Estónia (8%) em Portugal (6,6%) e na Roménia (5,9%), enquanto as únicas descidas se verificaram na Dinamarca e em Malta (-0,7% cada).