O excedente da balança de pagamentos correntes da União Europeia (UE) subiu para 39,4 mil milhões de euros no quarto trimestre de 2013, contra os 24,1 mil milhões verificados no mesmo período de 2012, segundo o Eurostat.

No boletim sobre os dados da balança de pagamentos correntes entre outubro e dezembro de 2013, a UE registou um excedente de 39,4 mil milhões de euros (2% do PIB) no último trimestre de 2013, maior face ao de 34,4 mil milhões (1,1% do PIB) do terceiro trimestre de 2013 e ao de 24,1 mil milhões (0,7% do PIB) do período homólogo de 2012.

O gabinete oficial de estatísticas da UE indica que em relação ao terceiro trimestre de 2013, o excedente do saldo da conta de bens aumentou de 0,4 mil milhões de euros para 8,4 mil milhões.

Já o excedente da conta de serviços manteve-se praticamente estável (de 44,4 para 44,3 mil milhões de euros) e o saldo da conta de rendimentos reduziu-se de 8,3 mil milhões para 6,2 mil milhões.

O défice da conta de transferências correntes agravou-se de 18,6 mil milhões para 19,5 mil milhões de euros, no quarto trimestre de 2013 face ao terceiro.

No quarto trimestre, os investimentos diretos dos 28 Estados-membros no exterior alcançaram os 200,4 mil milhões de euros, contra os 60,1 mil milhões de euros verificados entre outubro e dezembro de 2012, enquanto os investimentos estrangeiros na UE foram de 161,1 mil milhões de euros, contra os 23,8 mil milhões de euros registados em termos homólogos.

Por outro lado, os investimentos em carteira verificaram saídas líquidas de 92,9 mil milhões de euros, que comparam com os 18,8 mil milhões de euros do quarto trimestre de 2012.

No que diz respeito aos seus principais parceiros comerciais, a UE verificou no último trimestre de 2013 um excedente nas trocas com os Estados Unidos (30,9 mil milhões de euros), a Suíça (16,2 mil milhões de euros), o Brasil (7,4 mil milhões de euros), Hong Kong (5,2 mil milhões de euros), o Canadá (4,0 mil milhões de euros), mantendo-se equilibrado com a Índia.

Os défices mais relevantes foram com a China (-24,5 mil milhões de euros), a Rússia (-14,2 mil milhões de euros) e o Japão (-1,5 mil milhões de euros).

No mesmo período, 13 Estados-membros registaram um excedente no saldo total da sua balança de pagamentos (intra e extra União Europeia) e 12 tiveram défices, enquanto três países observaram um equilíbrio nas suas contas.

A Alemanha foi o país com o maior excedente na balança de pagamentos correntes (62,9 mil milhões de euros), seguindo-se a Holanda (14,0 mil milhões de euros), a Itália (10,7 mil milhões de euros), a Suécia (5,6 mil milhões de euros) e a Dinamarca (5,4 mil milhões de euros).

O Reino Unido (-25,5 mil milhões de euros) e a França (-2,4 mil milhões de euros), a Grécia (-1,29 e a Polónia (-1,1) encabeçam a lista dos países com défices mais elevados, que inclui ainda Portugal (-0,1 mil milhões de euros).