O consumo de energia caiu em 24 países da União Europeia entre 2006 e 2012, tendo Portugal registado a segunda maior descida entre os Estados-membros, com 15,2%, revelou esta segunda-feira o Eurostat.

Os dados do gabinete oficial de estatísticas da União Europeia apontam para uma descida média de 8% no conjunto dos países e assinalam que o nuclear e as energias renováveis representaram nesses seis anos metade da produção total de energia.

Entre os cinco principais consumidores de energia em 2012 estiveram a Alemanha (319 milhões de toneladas de petróleo equivalente, menos 9,2% face a 2006), a França (258 milhões de toneladas, menos 5,3%), o Reino Unido (202 milhões de toneladas, menos 12,2%), a Itália (163 milhões de toneladas, menos 12%) e a Espanha (127 milhões de toneladas, menos 11,9%).

No total, estes cinco Estados-membros representam 64% do consumo total de energia na União Europeia em 2012 e 77% da baixa verificada entre 2006 e 2012.

Entre 2006 e 2012, as descidas mais acentuadas no consumo de energia verificaram-se na Lituânia (-17%), em Portugal (-15,2%), na Grécia (-14,4%) e na Hungria (-14,2%).

Os únicos aumentos foram observados na Estónia (11,6%), nos Países Baixos (2,9%), na Polónia (0,8%) e na Suécia (0,4%).

Neste boletim do Eurostat, a Dinamarca surge como único exportador líquido de energia, apesar de registar igualmente uma taxa de consumo negativa em 2012 (-3%).

Estónia, Roménia, República Checa, Suécia, Países Baixos e Polónia são os países com menos dependência de importação de energia, enquanto entre os Estados-membros mais dependentes estão Malta, Luxemburgo, Chipre e Irlanda.