O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, apelou, esta quinta-feira, à confiança no projeto europeu e insurgiu-se contra os pessimistas da crise económico-financeira, advogando que «a desintegração da zona euro» foi evitada e que há sinais positivos a surgir.

«Conheço bem a situação difícil que enfrentámos e enfrentamos, mas não é justo ignorar o caminho que foi feito e o que já alcançámos», afirmou José Manuel Durão Barroso.

O chefe do executivo comunitário, que falava durante um debate no Comité das Regiões, em Bruxelas, advertiu que a desintegração do euro, «um cenário catastrófico», foi evitada e apontou os exemplos de vários países com programas de assistência para sustentar que já existem sinais positivos no plano económico.

Neste contexto, Barroso salientou por exemplo que a Grécia deverá ter crescimento económico já este ano, que a Irlanda concluiu o seu resgate financeiro «com sucesso» e «paga menos [juros] que muitos países sem programa» ou que Portugal tem atualmente «crescimento positivo» e o seu desemprego «começa a diminuir», devendo «concluir com sucesso o seu programa já em maio».

«A retoma está a acontecer», afirmou, num discurso em que se insurgiu contra «os discursos negativistas» sobre o projeto europeu.

Durão Barroso considerou ser necessário continuar a trabalhar para «recuperar a confiança dos mercados», mas também «a esperança dos cidadãos».

«Estamos numa situação muito difícil, em que o pessimismo sobre a Europa foi exacerbado pela crise económica», disse, exortando depois a um debate «aberto e racional» sobre o que a Europa tem de bom.

«Devemos concentrar o nosso trabalho nisso, é o momento de mostrarmos a riqueza da diversidade da Europa», declarou o presidente da Comissão Europeia.