na sequência das conclusões da primeira missão de monitorização da troika Governo insistiu que não há razões nesta altura para alterar as previsões inscritas



«não há qualquer razão para fazer outro cenário»