O presidente do Eurogrupo Jeroen Dijsselbloem afirmou esta segunda-feira, em entrevista ao jornal espanhol «El País», que Portugal ainda tem «muito para fazer» , nomeadamente no que respeita às reformas estruturais.

Dijsselbloem reconheceu que «a Grécia melhorou do ponto de vista orçamental, mas ainda tem muito para fazer, tal como Portugal: basicamente, ao nível das reformas estruturais para voltarem a ser países competitivos».

Questionado sobre se Portugal vai precisar de um segundo resgate e a Grécia de um terceiro, o presidente do Eurogrupo referiu apenas: «É cedo para dizer».

Já sobre Espanha, Jeroen Dijsselbloem disse estar «muito optimista».