O presidente do Eurogrupo considerou esta segunda-feira que o resultado das eleições legislativas em Portugal é “um pouco ambíguo”, face à ausência de uma maioria absoluta da coligação, e disse que há que esperar para “ver o que acontece”.

Falando à entrada para uma reunião de ministros das Finanças da zona euro, no Luxemburgo, Jeroen Dijsselbloem refutou ainda a ideia de que, neste novo mandato, o Governo tenha margem de manobra para inverter as políticas de austeridade que tem seguido, já que, sustentou, “a situação económica e financeira de Portugal” não mudou só porque houve eleições.

Questionado sobre o desfecho das eleições legislativas de domingo em Portugal, o presidente do Eurogrupo considerou que “o governo português tomou algumas medidas muito duras e, nesse sentido, é uma boa notícia que um governo possa ainda ganhar eleições depois de tomar tais medidas quando necessárias”.

A coligação formada por PSD e CDS-PP venceu com 38,55% dos votos (o que representa 104 deputados), tendo perdido a maioria absoluta, e o PS foi o segundo partido mais votado, com 32,38% (85 deputados), estando ainda por atribuir quatro assentos na futura Assembleia da República, referentes aos círculos da emigração. 

A Comissão Europeia considerou, esta segunda-feira, que o resultado das eleições legislativas de domingo em Portugal, ganhas pela coligação PSD-CDS-PP, “confirma a vontade da maioria do povo português de prosseguir o caminho das reformas."