Mais de um em cada três portugueses (40%) que viajam na UE optam por desligar o telemóvel quando se deslocam para outro país, valor acima da média europeia (UE 28%), segundo um Eurobarómetro publicado esta segunda-feira em Bruxelas.

O inquérito, encomendado pela Comissão Europeia, mostra que uma pequena minoria de portugueses (6%) faz chamadas do telemóvel quando está noutro Estado-membro da União Europeia (UE), em linha com a média dos 28 (8%), e 9% receberam telefonemas (UE 13%).

Por contraste, 37% disseram nunca fazer nem receber um telefonema em roaming dentro do bloco europeu (UE 30% e 29%, respetivamente).

Uma pequena minoria de 7% disse mandar mensagens de texto (SMS), abaixo dos 20% na média europeia, contra 37% que disseram jamais o fazer (UE 26%).

A utilização de dados móveis para aceder a redes sociais em regime de roaming é um hábito que 5% dos inquiridos em Portugal disseram manter com a mesma regularidade no estrangeiro (UE 6%), enquanto 35% responderam nunca usar (UE 47%).

O uso regular de Internet móvel para outros fins, como enviar e receber emails, é admitido por 8% dos portugueses (UE 9%), contra 31% que responderam nunca a utilizar em viagem (UE 47%).

Bruxelas estima que, por causa das atuais estratégias tarifárias, as empresas de telecomunicações desperdiçam um mercado de cerca de 300 milhões de utilizadores de telemóveis, com efeitos negativos para as outras empresas, como os criadores de aplicações.

«Milhões de empresas fazem face a custos adicionais devido ao roaming e empresas como os criadores de aplicações também perdem receitas. O roaming não faz qualquer sentido num mercado único ¿ do ponto de vista económico, é um perfeito disparate», disse a comissária europeia para a Agenda Digital, Neelie Kroes.

A comissária adiantou ainda que os resultados do Eurobarómetro «são a prova» de é necessário «eliminar as tarifas de roaming».

Em Portugal foram realizadas 1.034 entrevistas, entre os dias 18 e 27 de janeiro.