O ex-ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, olha para o resultado das eleições na Grécia como um sinal de mudança, de uma Europa que deve perceber que a austeridade não resultou e deve fazer tudo para Atenas permanecer no euro.

«A Europa dificilmente poderá dar à Grécia o que ela pretende. Mas a Europa tem de encontrar uma solução que faça e consiga preservar a Grécia dentro da UE e do euro, porque senão, a prazo, o meu receio é que todos acabemos por perder»

Teixeira dos Santos defende, por isso, uma conjugação de esforços, entendendo que a União Europeia sabe o que tem entre mãos, sabe o que foi o passado.

«A Europa já percebeu que não pode manter a ortodoxia austeritária que manteve nos últimos anos. Não deu resultado, não deu resultado»


Não só já percebeu, como «tem de mudar», defende, deixando uma ressalva: «Mas tem de mudar, evitando a irresponsabilidade orçamental ou o retorno a comportamentos de irresponsabilidade orçamental». Esse equilíbrio será o desafio que a Europa tem pela frente.

O atual ministro português da Economia, António Pires de Lima, também abordou esta sexta-feira o tema, em entrevista à Reuters, mas defendendo que a «Grécia tem de cumprir como fez Portugal»

A pressão sobre a Grécia é grande. O Presidente do Eurogrupo já avisou que o tempo de decisão sobre extensão do programa de resgate é «muito curto».

Entretanto, a agência Standard & Poor's baixou o rating do país, que já no nível «lixo» B- e deixou ameaças de ir mais longe.