É necessário uma mudança radical das políticas de resposta aos desempregados, conclui um estudo desenvolvido nos últimos três anos por investigadores da Universidade de Coimbra (UC).

Segundo a nota da UC, citada pela Lusa, a formação profissional é uma das áreas que tem de ser repensada, afirmam os especialistas, sustentando que é necessária uma «formação pragmática».

Alertam, por outro lado, para «a burocracia excessiva» que contraria o empreendedorismo.

Financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, a pesquisa ¿ da qual já resultou o livro de Desempregados a Empreendedores ¿ considera que «um dos ajustamentos mais eficazes» ao desemprego «é a criação do próprio emprego, porque o Estado Social está a falhar».

Perante as conclusões obtidas no estudo, que envolveu mais de dois milhares de cidadãos em situação de desemprego, os cientistas elencaram um conjunto de recomendações práticas para a reformulação de políticas.

Defendem, por exemplo, a criação de um serviço nacional de atendimento aos micro empresários, que «os ajude a gerir aspetos como competitividade, eficiência, custos e lhes faculte informação e apoio».

Outra das medidas preconizadas pelos investigadores aponta para a formação de «uma rede onde todos os micro empresários possam estar sempre em contacto para a partilha de experiências e troca de informações».