Os trabalhos de manutenção da Ponte 25 de Abril, na travessia do Tejo, serão as principais empreitadas a lançar pela Estradas de Portugal (EP) no distrito de Lisboa, segundo o plano de intervenções para os próximos cinco anos.

No Plano de Proximidade/Médio Prazo da EP para 2015-2019, divulgado na quinta-feira, Lisboa é dos distritos com maior investimento programado, mas no total de 51,6 milhões de euros estão incluídas três empreitadas relacionadas com a Ponte 25 de Abril, no valor global de 16,05 milhões de euros.

Os trabalhos de «reparação e conservação», no «maciço de amarração norte» e nos «aparelhos de apoio do pilar P1» na travessia do rio Tejo estão programados para 2014, pois o lançamento dos concursos devem «ocorrer até ao fim do ano», explicou à agência Lusa fonte oficial da EP.

A empresa prevê investir até 2019 mais de 436 milhões de euros, em 520 intervenções em vias nacionais e municipais de todo o país.

No distrito de Lisboa estão programadas 59 intervenções, embora 11 sejam repartidas com o distrito de Setúbal, de que são exemplo as empreitadas na Ponte 25 de Abril, que liga os concelhos de Lisboa e Almada.

Em Lisboa, o plano contempla a ligação do novo caneiro da Damaia ao caneiro de Alcântara, a lançar ainda este ano, por 3,9 milhões de euros, e o reforço sísmico do viaduto Duarte Pacheco (Autoestrada 5), em 2017, num investimento de 2,9 milhões de euros.

A requalificação da Estrada Nacional (EN) 117, entre o Pendão e Belas, por 1,190 milhões (2015), e a reabilitação da EN249-4, entre Sintra e São Domingos de Rana (Cascais), no valor de 1,156 milhões (2017), são as principais obras para o município de Sintra.

No concelho de Oeiras, a principal empreitada reside na beneficiação da EN6, entre Algés e o Estoril, a lançar em 2017 pelo valor de 3,542 milhões de euros.

No município de Mafra está prevista a reabilitação da EN 247, na localidade da Carvoeira, com a construção de passeios na chamada “via do litoral”, que liga a Sintra, muito procurada para acesso às praias, numa empreitada de 2,5 milhões, a lançar em 2015.

A requalificação da EN8, entre Loures e Malveira (Mafra), orçada em três milhões de euros, só será lançada em 2018 e vem responder aos apelos das autarquias, pelo elevado volume de tráfego, incluindo de pesados, e por ser alternativa à Autoestrada do Oeste (A8), usada por quem «foge» ao pagamento de portagens.

Na região Oeste está programada a beneficiação da EN9, entre Torres Vedras e Merceana (Alenquer), num investimento de 5,7 milhões de euros, mas apenas no último ano do plano.

Esta obra está prevista desde 2009 por ter entrado nas compensações para a região da deslocalização do projeto do novo aeroporto internacional de Lisboa na Ota para Alcochete.

A beneficiação da EN1, entre Carregado (no concelho de Alenquer) e Vila Franca de Xira, está estimada em 3,5 milhões de euros, a lançar em 2018, depois da Câmara de Alenquer ter pedido a isenção de portagens para veículos pesados devido ao volume de tráfego que circula na vila para fugir ao pagamento na A1.

A reabilitação da EN247, nas localidades da Praia da Areia Branca, vila da Lourinhã e Ribamar, vai importar em 900.000 euros (2016/2017), e visa resolver o grande volume de tráfego, nomeadamente de pesados, com destino a Peniche, por até à data ter caído o projeto de construção do IC11 (Arruda dos Vinhos/Peniche).

O plano da EP inclui 250 intervenções em pontes e viadutos, 120 na requalificação de vias e uma centena de ações relacionadas com segurança rodoviária.