Os encargos dos contribuintes com a Estradas de Portugal baixaram de 408 para 275 milhões de euros no ano passado, o valor mais baixo de sempre a ser inscrito no Orçamento do Estado. Mas, segundo o Jornal de Negócios, este ano voltam a crescer 400 milhões de euros, atirando para quase 700 milhões o total a pagar à empresa.

Em causa está o facto de a empresa começar agora a pagar as subconcessões rodoviárias lançadas em 2008, mais precisamente a Baixo Tejo, Litoral Oeste, Douro Interior, Transmontana, Algarve Litoral e Baixo Alentejo.

A Estradas de Portugal acredita que este ano a empresa não deverá atingir resultados positivos.