O presidente da Câmara de Viana do Castelo disse esta sexta-feira que o município vai levantar o caderno de encargos do concurso para a subconcessão dos estaleiros navais do concelho para «poder conhecer as condições» do negócio.

A informação foi avançada pelo autarca José Maria Costa, alegando o «desconhecimento» dos moldes previstos neste concurso, lançado pela administração dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), cita a Lusa.

«Vamos levantar o caderno de encargos da subconcessão porque não tivemos nenhuma informação do Ministério da Defesa Nacional e da administração da empresa sobre as condições previstas neste concurso», explicou José Maria Costa.

Acrescenta que o município «está preocupado» com o futuro da empresa e dos 620 trabalhadores, vendo-se «obrigado» a avançar com este procedimento «para poder conhecer as condições que estão a ser consideradas» para o negócio.

«Lamento muito que, de outra forma, não tenha tido informação sobre o que está a ser preparado para o futuro de uma empresa tão importante para nós», apontou o autarca socialista.

O acesso às peças do concurso público para a subconcessão dos terrenos e infraestruturas dos ENVC, lançado pela administração da empresa a 31 de julho e que se prolonga até 23 de setembro, implica o pagamento de mil euros, a título de caução, além de um acordo de confidencialidade sobre o mesmo.

Em caso de apresentação de uma proposta válida, o valor da caução será devolvido.

Já a secretária de Estado da Defesa admitiu, esta semana, acreditar que o futuro subconcessionário dos ENVC «aproveite» os atuais trabalhadores.

«É crível que o novo subconcessionário dos estaleiros aproveite a mão-de-obra existente. Mas não podemos é efetivamente garantir em absoluto, porque isso faz parte da capacidade que o novo subconcessionário vai ter, de fazer as suas escolhas e de fazer o recrutamento dos recursos humanos para a sua atividade», afirmou Berta Cabral.