O homem que previu, com bastante exatidão, quatro derrocadas no mercados bolsista norte-americano disse ao site Business Insider que há mais três momentos a que os investidores devem dar atenção ainda este ano.

Sandy Jadeja é analista chefe e estratega na casa de investimentos Spreads Core uma. Como analista técnico ganhou muita experiência na análise de tendências e padrões em diversos mercados e classes de ativos. A partir da qual é possível observar uma tendência para os preços de tais ativos.

O Independent noticia que Sandy Jadeja tem agora três datas referenciadas como problemáticas para o mercado de capitais norte-americano, cujos efeitos se podem repercutir a outros mercados.

A primeira será entre 26 e 30 de agosto deste ano. A segunda 26 de setembro e a terceira 20 de outubro também deste ano.

Temos tempos interessantes à nossa frente. Estamos a lidar com problemas com vários níveis de incerteza económica nos mercados financeiros, incluindo a moeda, as 'commodities', e o mercado imobiliário ", disse Jadeja numa entrevista.

Acredito que usando as informações que temos e utilizando a tecnologia ao nosso dispor podemos prepara-nos, protege-nos e crescermos”, acrescentou.

Mas será só este o segredo?

Em 2005, Sandy Jadeja disse ter alertado 2.000 investidores - num evento na China, numa palestra em Nova Iorque, bem como bancos e casas de investimento numa conferência no Dubai - sobre a rutura no mercado imobiliário que acabou por acontecer.

Mais recentemente, em 31 de julho de 2015, antes de voar para Singapura para falar numa conferência de mais de 5.000 pessoas, Jadeja alertou os investidores, na CNBC, que algo de impactante que aconteceria em 18 de agosto e para que estivessem preparados para os resultados, sobretudo da banca.

Depois da previsão se confirmar Jadeja disse à CNBC em 28 de agosto de 2015, o que se verificaria uma queda ainda maior entre 14 e 17 de setembro. E, mais uma vez, o Dow Jones caiu mais de 5,8% ao longo de oito dias de negociação. Mas as premunições não ficaram por aqui. Jadeja assegurou posteriormente, também à CNBC, que a 4 de janeiro de 2016 haveria novo afundanço dos mercados bolsistas, o que acabou por se verificar. E o principal índice norte-americano caiu cerca de 11% ao longo de mais de 10 dias de negociações.  

Agora, voltando a olhar para os gráficos e para aquilo que os números lhe dizem, este analista assegura que “temos à frente alguns solavancos até 2018”.

Este é um ciclo de 84 anos [chamado de" Ciclo de Tempo '] e o do ciclo anterior apareceu durante 1928 até 1934 quando ocorreu a Grande Depressão", alerta.

"Este ciclo deve durar até 2018. A minha preocupação é que vai haver declínios súbitos que apanharão os investidores pouco prevenidos se eles não se prepararem", ele.