Apesar do setor da banca nacional estar menos expostos à crise Grega, com apenas 300 milhões de euros, o Estado português teve de canalizar fundos para Atenas no âmbito dos empréstimos europeus à Grécia.

Ainda assim, diz o Diário Económico, a exposição do Estado não vai além dos 1,2 mil milhões de euros. Contas feitas, a exposição portuguesa à economia grega ronda os 1,5 mil milhões de euros.

No final de 2009 a exposição da banca portuguesa à Grécia totalizava os 6,8 mil milhões de euros, e grande parte desta quebra está relacionada com a saída do BCP do mercado grego, através das venda do Millenium Bank em abril de 2013.