Os dirigentes dos serviços públicos têm até 22 de agosto para identificar o número de trabalhadores que querem enviar para a mobilidade especial ou com os quais pretendem rescindir contrato no próximo ano, escreve o Diário Económico.

A medida faz parte da construção do Orçamento do Estado para 2015 e os serviços podem começar a enviar esta informação a 1 de agosto, data em que entra em vigor a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas e que prevê a possibilidade de colocar funcionários em mobilidade por desequilíbrios orçamentais do próprio serviço.

O Executivo também já assumiu que quer lançar um novo programa de rescisões amigáveis em outubro.