O lucro da Espírito Santo Saúde subiu 57,2% nos primeiros nove meses do ano, face a igual período do ano passado, para 14,2 milhões de euros, anunciou a empresa.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a ES Saúde informa que o lucro no terceiro trimestre deste ano subiu 80,2% face ao trimestre homólogo, para 5,5 milhões de euros.

Segundo a empresa, este resultado «foi impulsionado pelos níveis de resultados operacionais, bem como pela melhoria dos resultados financeiros, como consequência da redução do montante em dívida e do custo associado».

Nos primeiros nove meses de 2014, «a Luz Saúde manteve a sua trajetória de crescimento, quer a nível do segmento de cuidados de saúde privados quer do segmento de cuidados de saúde públicos».

Entre janeiro e setembro, a ES Saúde registou um aumento dos rendimentos operacionais consolidados de 6,6% face aos primeiros nove meses de 2013, para 297,8 milhões de euros, o que representa um crescimento de 5,7% no segmento privado e de 9,0% no segmento público.

O resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações subiu 1,5% face ao período homólogo e atingiu os 43,8 milhões de euros. Já a margem de EBITDA foi de 14,7%, no período em análise, traduzindo-se num decréscimo de 0,7 pontos percentuais face a 2013.

A ES Saúde justifica este desempenho «pelo aumento dos custos de estrutura associados ao facto de a Luz Saúde ser uma sociedade cotada e aos custos extraordinários decorrentes do processo de venda da Luz Saúde através de oferta pública de aquisição, bem como pela evolução da margem EBITDA no segmento de cuidados de saúde privados (de 19,5% para 19,2%)»

Em relação ao Hospital Beatriz Ângelo (PPP), este evoluiu de um EBITDA de 1,3 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2013, para 3 milhões de euros em 2014, atingindo uma margem EBITDA de 4,4%.

O grupo refere ainda que «a Luz Saúde continua a aguardar a decisão do Estado relativamente ao financiamento das prestações de saúde adicionais realizadas no âmbito dos cuidados em regime de ambulatório aos doentes VIH/SIDA no Hospital Beatriz Ângelo, à semelhança do que acontece nos restantes hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), incluindo as PPP de Braga e de Cascais».

De acordo com os resultados oficiais divulgados a 15 de outubro pela bolsa portuguesa, a OPA lançada pela Fidelidade sobre a ESS conseguiu captar um total de 96,065% do capital social da empresa.

Contando com as ações que a Fidelidade já detinha, o grupo segurador possui uma participação total de 96,067% do capital social da ES Saúde (91.784.436 ações), a que corresponde um investimento de 459,8 milhões de euros.

Já a percentagem do capital social da ES Saúde que não foi adquirida na oferta ascende a 3,933%.