A Via Verde tem cobrado cerca um milhão de euros por mês em portagens de veículos com matrícula espanhola que circulam nas autoestradas portuguesas, afirmou esta quarta-feira o administrador-delegado da empresa, Luís Vasconcelos Pinheiro.

O administrador-delegado, que falava aos jornalistas à margem da apresentação de uma nova aplicação da Via Verde, recordou que, desde julho de 2013, o serviço Via Verde está disponível para todos os identificadores espanhóis, concluindo o processo de interoperabilidade entre Espanha e Portugal iniciado pela empresa no fim de 2012.

Luís Vasconcelos Pinheiro disse que a Via Verde encerrou o ano de 2013 com cerca de 3,4 milhões de identificadores emitidos (uma subida de 5,3% em relação ao ano anterior), responsáveis por cerca de 796 mil transações diárias (mais 10,4%).

Este ano, a Via Verde «está a contar emitir mais de 100 mil identificadores», adiantou o responsável.

A nova aplicação da Via Verde, que estará disponível a partir de sábado, permite aos clientes fazerem no telemóvel operações que até agora apenas podiam ser realizadas no site ou nas lojas.

Com esta aplicação, os clientes poderão consultar e atualizar os dados do contrato (como matrículas ou contactos), consultar transações e receber alertas de eventuais anomalias.

A aplicação permite ainda localizar os parques de estacionamento e postos de abastecimento equipados com o serviço de pagamento Via Verde e tem também uma calculadora de portagens e percursos que reúne todas as concessionárias de autoestrada e pontes com portagem.

Para poderem aceder aos conteúdos desta aplicação, os clientes têm de estar registados na área Via Verde online.

A Via Verde foi lançada em abril de 1991 e é detida pela Brisa (60%), a Ascendi (20%) e a SIBS (20%).