A chanceler alemã, Angela Merkel, disse esta sexta-feira, em Bruxelas, que Portugal e Espanha têm de resolver o problema do desemprego, apesar de terem melhorado o crescimento e a consolidação orçamental.

«Espanha e Portugal deram-nos conta dos seus esforços bem-sucedidos para a consolidação orçamental e as taxas de crescimento, bem como dos primeiros passos para reduzir as taxas de desemprego, que continuam a ser muito altas», disse Merkel, numa conferência de imprensa no final do Conselho Europeu.


Por outro lado, a chefe do Governo alemão lembrou que o programa de assistência negociado com a Grécia é semelhante aos celebrados com a Irlanda e Portugal, não havendo qualquer atenção especial para com Atenas.

«Não estamos a fazer nada de especial com a Grécia, o que fizemos com a Grécia foi o mesmo tipo de programa que tiveram a Irlanda, Portugal e o setor bancário em Espanha.»


As instituições fazem uma recomendação e o Eurogrupo aprova, é o procedimento normal, disse, lembrando ainda que o Fundo Monetário Internacional também dá o seu aval, tendo em conta a situação económica.

A chanceler destacou que não houve qualquer alteração ao modelo usado em anteriores programas de resgate, em que foram exigidas «ações prévias» a executar antes de ser concedido o financiamento.

A líder alemã lembrou ainda que quer Portugal quer a Irlanda negociaram algumas medidas nos respetivos programas, substituindo-as por outras de igual impacto orçamental.