O serviço de estudos do BBVA considera que a recessão «tocou no fundo» em Espanha antecipando novas melhorias da economia no final deste ano com um crescimento trimestral de 0,3% do PIB.

Para 2013 o BBVA reduz em uma décima a previsão de queda do PIB, para -1,3% (igual que à previsão do Governo), com a economia a crescer 0,9% em 2014, mais duas décimas do que o quadro macroeconómico do Orçamento de Estado.

No relatório «Situação Espanha» correspondente ao último trimestre do ano, o BBVA antecipa que a recuperação continuará a consolidar-se, deixando de destruir-se emprego em 2014.

Destacando a força das exportações, a redução das tensões financeiras e a atual política fiscal, o BBVA considera que são fatores que «sustentam» a melhoria das expectativas, que, através de melhorias no mercado de trabalho em 2014 provocarão um aumento do emprego.

Previsões que são pessimistas para este ano com o BBVA a prever que a taxa de desemprego termine o ano nos 26,3%.

Apesar dos sinais positivos o relatório do BBVA assinala que a recuperação continua a estar pendente da continuação das reformas estruturais.

Para a entidade financeira a contenção da volatilidade contribuiu para a normalização na entrada de fluxos de capital em Espanha com o aumento da produtividade e a moderação salarial a melhorar a situação das empresas.

O BBVA antecipa que os fluxos de crédito, como ocorrerá com a atividade económica, apresentarão recuperação em 2014.