O mercado livre de gás natural tinha 502.240 clientes no final de novembro de 2013 e representava 94% do consumo total, segundo dados divulgados pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

De acordo com o resumo informativo sobre o mercado liberalizado de gás natural, em novembro do ano passado, o número de clientes no mercado liberalizado «mais do que quadruplicou» em relação ao mesmo mês de 2012.

Já o consumo registou um aumento de cerca de 2,7% em relação a outubro e uma subida de 19% relativamente a novembro de 2012.

No final de novembro de 2013, o consumo dos clientes no mercado liberalizado de gás natural representava cerca de 94% do consumo global, um crescimento em relação aos 90% registados em igual mês de 2012.

«No caso dos grandes clientes, os fornecimentos efetuados por comercializadores em regime livre já representam 100% dos consumos do segmento, enquanto no caso dos consumidores industriais esse valor é de aproximadamente 90%», lê-se no documento.

No que respeita aos consumos por distribuidoras, a Lusitaniagás e a Portgás foram as empresas responsáveis pela distribuição do maior volume de gás natural, representando, respetivamente, cerca de 31% e 28% do consumo global do mercado.

Em terceiro lugar, surge a Lisboagás, com cerca de 21% da distribuição do consumo global de mercado.

Em termos de número de clientes por empresa distribuidora, a Lisboagás tinha o maior número de clientes no mercado livre, seguida pela Portgás.

A Galp viu reduzida a sua quota em termos de número de clientes, «deixando de ser o principal operador no mercado liberalizado (passou de 52% do total de clientes em novembro de 2012 para cerca de 29% em novembro de 2013), e, por outro, reforçou essa posição em termos de consumos (de 67% para 70% dos fornecimentos no mercado liberalizado, no mesmo período)», segundo a ERSE.

A EDP posicionou-se como o principal operador do mercado em número de clientes (44%), ocupando o terceiro lugar em termos de consumo abastecido (cerca de 12%).

Em termos de consumo, o segundo lugar pertenceu à Gás Natural Fenosa, com 14%, tendo registado um aumento de 3,6 pontos percentuais entre novembro de 2013 e novembro do ano anterior.

Ainda no que respeita a consumos, a Endesa registou uma quebra de carteira de 1,5 pontos percentuais em relação a novembro de 2012, enquanto a Goldenergy registou um aumento de 1,1 pontos percentuais.