O número de clientes no mercado liberalizado de gás natural totalizava no final de junho cerca de 924 mil, um acréscimo de 35% face ao período homólogo de 2014, anunciou esta terça-feira a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

Segundo o regulador do mercado, o número de clientes em mercado livre é cerca de 4% superior ao registado em março passado, acima da taxa média mensal das migrações para o regime de mercado de 2,6% registada no último ano.

Em contrapartida, o consumo dos clientes no mercado livre caiu 3% no final de junho em relação ao período homólogo, para 3.117 GWh (gigawatts/hora), a uma taxa média mensal de cerca de -0,2%, agravando-se esta queda desde março passado, com uma redução do consumo em cerca de 11%.

Este decréscimo deveu-se à redução dos consumos em todos os segmentos, em especial no de clientes industriais, de 13,9%, em termos homólogos, acompanhado pela redução nos segmentos de grandes clientes e de clientes residenciais de 2,7% e 2,4%, respetivamente, adianta o relatório trimestral da ERSE.

A EDP continua a ser o principal operador do mercado em número de clientes – com metade dos clientes em mercado livre -, e o terceiro em consumo abastecido (10,5%).

No segundo trimestre, a Galp manteve-se líder em consumos (55%), apesar de uma quebra de 4,8 pontos percentuais durante este período, e o segundo em número de clientes.

Ainda durante o segundo trimestre, o mercado livre de eletricidade passou a contar com um novo fornecedor de gás natural: a Rolegás, do grupo sediado no Algarve Rolear, com atividade na construção civil, instalações especiais e formação técnica.

Os consumidores que ainda estão a ser fornecidos por um comercializador de último recurso dispõem de um período transitório até 31 de dezembro de 2017 para escolherem um novo fornecedor de gás natural (em mercado livre).