Os comercializadores de gás engarrafado poderão vir a ser obrigados a ter uma oferta padronizada, com botijas ou reguladores iguais, que permitam aos consumidores uma troca mais fácil de fornecedor.

É uma hipótese que está a ser estudada pelo Governo e que consta da análise do mercado de propano e butano engarrafado que foi elaborada pela Entidade Nacional do Mercados de combustíveis, escreve o Negócios.

Um dos problemas com o gás engarrafado é a dificuldade em trocar de fornecedor, já que por vezes o revendedor apenas substitui botijas de uma mesma marca. Além disso, os equipamentos que ligam as botijas à instalação de gás não são universais. Este mercado está a ser avaliado pela Autoridade da Concorrência.

Para além da padronização dos equipamentos vendidos, a ENMC também sugeriu ao Governo que se promova a comercialização das marcas brancas, nomeadamente através da venda das botijas nas grandes superfícies do retalho, como já ocorre em França.