​O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, garantiu à TVI que vai levar os processos contra a Galp e a REN até às últimas consequências.
 
O governante promete ações inspetivas especiais nas duas empresas e garante que lhes vão ser aplicada coimas e juros relativos aos valores em dívida.
 
Também esta terça-feira o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, lamentou que a REN e a Galp Energia tenham decidido não pagar a contribuição extraordinária sobre o setor energético e avisou que as autoridades fiscais avançarão para a execução fiscal. 

«Estas empresas tomaram a decisão e agora esta é matéria que a área fiscal, a autoridade tributária, desenvolverá», tal como acontece em caso de incumprimento por parte de um cidadão ou de uma empresa, referiu. 

A REN e a Galp anunciaram esta segunda-feira que não liquidaram o valor referente à contribuição extraordinária do setor energético, um valor conjunto que ascende aos 60 milhões de euros. O prazo terminava a 15 de novembro. Empresas justificam a recusa de pagamento alegando ter dúvidas sobre a legalidade da medida.