Pelo menos até 2017 as famílias vão poder manter os contratos de eletricidade e gás natural no mercado regulado, onde as tarifas são fixadas pelo regulador.

 

O objetivo, segundo o Governo, é dar mais tempo ao setor para amadurecer criando condições para o surgimento de ofertas mais competitivas.

 

Por pressão da troika, dezembro de 2014 e dezembro de 2015 eram as datas inicialmente previstas para os consumidores saírem definitivamente do mercado regulado da eletricidade, no gás o cenário era idêntico.

 

Agora o prazo foi alargado mas quem já fez a transição para o mercado de preços livres não pode voltar atrás.

 

O mesmo não acontece com os beneficiários da tarifa social de eletricidade, para quem os preços regulados nunca serão extintos.