O mercado livre de eletricidade fechou 2015 com cerca de 4,38 milhões de clientes, o que representa um crescimento de 23% face a dezembro de 2014, a uma taxa média mensal de 1,7%.

De acordo com a síntese mensal da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), no último mês de 2015 registou-se um crescimento líquido de cerca de 56 mil clientes face ao mês anterior.

Já o consumo anualizado em mercado livre ascendeu a 39.735 GWh em dezembro de 2015 (consumo médio em 12 meses atribuído a clientes no mercado livre no último dia do mês), um crescimento de cerca de 8% em termos homólogos – o consumo no mercado livre foi de 36.807 GWh em dezembro de 2014 -, o que corresponde a uma taxa média mensal de 0,6% no período.

Em termos de segmentos, praticamente a totalidade dos consumos de grandes consumidores está já no mercado livre, enquanto no segmento dos consumidores domésticos, o consumo em mercado livre está nos 76% do total do segmento, que compara com cerca de 62% em dezembro de 2014.

Em dezembro de 2015, a EDP Comercial manteve a sua posição como o principal operador no mercado livre em número de clientes (85% do total de clientes) e em consumos (cerca de 43% dos fornecimentos no mercado liberalizado), tendo a sua quota sido reforçada ligeiramente em número de clientes e diminuído em termos de consumos.

Segundo o relatório da ERSE, a expressão de mercado dos três principais comercializadores (EDP Comercial, Endesa e Iberdrola), face ao mês anterior, subiu ligeiramente em termos de número de clientes no mercado livre (representou 90,9%), e manteve-se em termos de fornecimentos de energia (78,2%).

Os consumidores que ainda estão a ser fornecidos por um comercializador de último recurso (mercado regulado) dispõem de um período transitório até 31 de dezembro de 2017 para escolherem um novo fornecedor de eletricidade.

A ERSE recomenda aos consumidores que “tão atempadamente quanto possível” assegurem o fornecimento de energia elétrica por um comercializador em regime de mercado.