O Governo prepara-se para fechar repartições de Finanças nos próximos meses.

A redução do número de repartições de Finanças será de pelo menos 25% no primeiro trimestre deste ano e outros 25% até maio, revela um relatório do Conselho Europeu a que o Diário Económico teve acesso. A segunda redução vai ocorrer na mesma altura das eleições europeias.

O documento revela ainda que haverá um reforço de 30% no número de efetivos da máquina fiscal dedicados às auditorias.

O Governo compromete-se agora a concluir um processo que estava calendarizado para 2013, mas o Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI), que contesta os encerramentos, duvida que seja possível chegar ao fim de Maio deste ano com o processo fechado.

O presidente do STI, Paulo Ralha, defendeu ao jornal Público que é «completamente impossível» executar todo o processo «num espaço de tempo tão curto», porque será uma «operação que leva o seu tempo [a ser concluída]».

Paulo Ralha alertou para a dificuldade em garantir, dentro deste calendário, que o transporte de processos é feito em segurança. E referiu ainda o facto de a reestruturação poder implicar custos para a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) num ano em que o organismo enfrenta uma «redução orçamental de 17%».