O Banif anunciou esta terça-feira que amortizou 280 milhões de euros de obrigações com garantia do Estado emitidas no âmbito dos empréstimos obrigacionistas à banca nacional.

«Com mais esta operação, inserida no seu plano de reestruturação, o Banif prossegue o caminho de redução dos apoios públicos, ascendendo a 580 milhões de euros o montante de obrigações garantidas pelo Estado já amortizadas», acrescenta o banco num comunicado.

A amortização inclui a recompra de todas as obrigações emitidas no âmbito dos empréstimos obrigacionistas pelo Banif Investimento (55 milhões de euros), Banif Mais (25 milhões de euros) e Banif S.A. (200 milhões de euros), segundo foi comunicado à Comissão de Mercado de valores Mobiliários (CMVM).

O Banif já pediu à Direcção-Geral do Tesouro e Finanças o cancelamento da garantia do Estado, «concretizada que foi a recompra, para amortização, de todas as obrigações emitidas e a sua respetiva extinção».

Os empréstimos obrigacionistas foram a solução encontrada pelo Governo para os bancos poderem continuar a financiar-se junto do Banco Central Europeu, emitindo dívida com garantia do Estado.

O banco presidido por Jorge Tomé recebeu também um empréstimo estatal destinado à recapitalização do banco, no valor de 1.100 milhões de euros, ficando o Estado como acionista.

A ajuda estatal foi repartida entre 700 milhões de euros de ações e 400 milhões de euros em instrumentos de dívida convertíveis em ações, as chamadas 'CoCo's', das quais o Banif já devolveu 275 milhões.

O Banif quer amortizar «rapidamente» os restantes 125 milhões de euros de 'CoCo's' que ainda estão nas mãos do Estado português, e vai pedir autorização ao Banco de Portugal para concretizar a antecipação do pagamento, revelou Jorge Tomé, numa conferência de imprensa realizada no Funchal, em maio.