As receitas da Vodafone Portugal caíram 12,2% no primeiro semestre terminado em setembro, face a igual período do ano anterior, para 404 milhões de libras (514,8 milhões de euros), anunciou o grupo de telecomunicações britânico.

Em igual período, os resultados antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) recuaram 10,7% para 157 milhões de libras (cerca de 200 milhões de euros, à taxa de câmbio atual), com o resultado operacional ajustado a diminuir 24,4% para 68 milhões de libras (86,6 milhões de euros).

O investimento da subsidiária portuguesa no primeiro semestre terminado em setembro mais do que duplicou, em termos homólogos, para 117 milhões de libras (149,1 milhões de euros).

De acordo com o grupo Vodafone, as receitas de serviços no mercado português diminuíram 4%, enquanto na Grécia a quebra foi superior, de 4,7%.

«No entanto, em todos os mercados, à exceção de Portugal e Malta, a tendência das receitas de serviços melhorou do primeiro para o segundo trimestre», refere a operadora.

«Em Portugal, as receitas do serviço móvel continuam a declinar face à intensa concorrência dos preços [no negócio] da convergência, enquanto no fixo as receitas continuam a crescer», adianta a Vodafone.

«Atualmente, temos 1,2 milhões de casas ligadas com fibra» em Portugal, acrescenta o operador, que adianta que o desenvolvimento do negócio da fibra está a progredir no mercado português.

No negócio móvel, a Vodafone Portugal registou uma quebra de 47 mil clientes no trimestre terminado em setembro, para um total de 5,357 milhões de clientes. Mais de metade dos clientes (74%) com pré-pago.

Já no negócio da banda larga fixa, a Vodafone Portugal registou um aumento de 31 mil clientes no período entre julho e setembro, para um total de 276 mil.