Nos últimos 10 anos, as insolvências triplicaram em Portugal. Parece que o cenário pode vir a mudar já este ano e também no próximo, segundo um relatório elaborado pela especialista em seguros de crédito Crédito y Caución.

O relatório sinaliza que o número atual de insolvências em Portugal continua a ser o triplo do registado em 2007, mas prevê um sólido decréscimo de 10% e 6% em 2017 e 2018, “o que poderia reduzi-lo para cerca de 270% dos valores anteriores à crise".

A nível global, a redução prevista para este ano é de 3% e para o próximo de 2%, graças à recuperação “cada vez mais robusta na zona euro”.

Assistimos a uma recuperação generalizada da atividade económica global, com forte apoio da produção industrial, do comércio internacional e do investimento".

Entre os fatores improváveis que poderiam comprometer estas previsões, o relatório cita “um ajustamento monetário desordenado, correções no mercado de valores ou uma acentuada desaceleração na China que diminua a procura global de importações”, cita a Lusa.

A incerteza política “é também um risco persistente", sobretudo numa altura em que ainda decorrem as negociações do Brexit (a saída do Reino Unido da União Europeia, decidida no final de junho do ano passado, bem como as renegociações de acordos comerciais dos Estados Unidos. 

Na Grã Bretanha, segundo a Crédito Y Caución, as previsões apontam para um crescimento das insolvências de 2% em 2017 e de 4% em 2018.