A Terra Peregrin, empresa detida pela empresária angolana Isabel dos Santos, vai receber na terça-feira sindicatos e representantes dos trabalhadores do grupo Portugal Telecom, preocupados com o futuro do grupo, da PT Portugal e os postos de trabalho.

Em declarações à Lusa, fonte ligada à empresa veículo criada por Isabel dos Santos para a Oferta Pública de Aquisição sobre a PT SGPS, disse que os representantes dos trabalhadores vão reunir-se com o administrador da Terra Peregrin, Mário Silva, e a equipa da OPA, na terça-feira.

Contactado pela Lusa, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Grupo PT, Jorge Félix, confirmou que pediu «nesta última terça-feira o agendamento de uma reunião com Isabel dos Santos para saber mais pormenores sobre a OPA lançada sobre a PT SGPS «para saber qual «o projeto industrial» da empresária para o grupo de telecomunicações.

Os trabalhadores estão preocupados com o futuro do grupo e da empresa PT Portugal, que consideram ser de «excelência ao nível das telecomunicações», com os cerca de 12.000 postos de trabalho diretos e com os mais de 5.000 trabalhadores que não estão no ativo, os reformados e os suspensos que dependem diretamente da empresa no que respeita à remuneração pecuniária mensal.

Além disso, lembrou o responsável, existem ainda mais 16.000 funcionários que trabalham em regime de outsourcing (subcontratação de serviços), bem como «o ecossistema empresarial», composto por centenas de pequenas e médias empresas que estão a trabalhar para o grupo PT.

A PT SGPS detém 25,6% da operadora brasileira Oi, que por sua vez tem uma participação de 100% sobre a PT Portugal desde o aumento de capital de 05 de maio.

A 09 de novembro, a Terra Peregrin anunciou a sua intenção de comprar a PT SGPS, oferecendo mais de 1,21 mil milhões de euros pela totalidade das ações da empresa portuguesa, ao preço de 1,35 euros por ação. A oferta é destinada a 100% do capital da PT SGPS.

O conselho de administração da PT SGPS vai pronunciar-se entretanto, segundo exige a lei, na próxima terça-feira após o fecho do mercado na Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários sobre o projeto de prospeto de OPA lançada pela Terra Peregrin, empresa detida pela empresária angolana Isabel dos Santos, sobre a PT SGPS.

Neste caso, terá de ser convocada uma Assembleia-Geral de Acionistas, mas isso só poderá acontecer quando a CMVM emitir um parecer favorável ao lançamento da OPA. A oferta carece também de um parecer da Autoridade da Concorrência, já que Isabel dos Santos tem uma participação na NOS.

Por outro lado, a administração da Oi deverá aprovar esta sexta-feira a venda da PT Portugal ao grupo francês Altice, depois de ter sido divulgado no domingo que a operadora brasileira e a multinacional francesa iam iniciar negociações exclusivas.

Já depois disso, o consórcio formado pelos fundos Apax e Bain e pela portuguesa Semapa já mostrou disponibilidade para melhorar a sua oferta de compra da PT Portugal e assim regressar à mesa das negociações.